Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \27\UTC 2012

Jeanne D’Albret

Hoje a noite vou expor a biografia de Jeanne D’Albret, baseada no livro “Mulheres da Reforma”, da Clire (Centro de Literatura Reformada). Segue meu esboço abaixo para quem interessar:

Nome: Jeanne D’Albret

Nascida em: 07 de janeiro de 1528

Sua mãe era: Margareth de Navarra

Comparada a: Joana D’Arc (do ponto de vista da história) e Débora (do ponto de vista bíblico)

Morreu em: 09 de junho de 1572, aos 44 anos.

  • Foi criada na França pelo seu tio, que era católico romano
  • Tinha personalidade forte
  • Recusou vários casamentos políticos, mesmo quando ameaçada de morte. Protestou em todos eles.
  • Era tão destemida que foi carregada até o altar, contra a sua vontade.
  • Quando seu marido (Duque de Cleve, alemão) foi para a guerra, ela foi para casa da mãe, onde conheceu a fé reformada.
  • Por divergências políticas, o casamento foi desfeito. O que a libertou do casamento, foram os protestos feitos e arquivados antes de se casar.
  • Casou-se novamente com o príncipe Antonie de Bourbon (agora com seu consentimento).
  • Quando o seu pai morreu, o rei da França quis tomar as terras de Navarra. Jeanne decretou guerra contra a França e venceu porque o rei francês morreu durante o tempo da batalha.
  • Professou sua fé em: 05 de dezembro de 1560, aos 32 anos.
  • Com a profissão pública de fé, vieram as provações:

– Catarina de Médici (a inimiga, compara a Jezabel)

– Catarina convence o marido de Jeanne a retornar ao catolicismo

– Antonie de Bourbon tenta forçá-la ao catolicismo

– Surgem inimigos conspirando para matá-la

  • É permitido que ela deixe a França, com intenção de matarem-na no caminho.
  • Ela é forçada a deixar seu filho na França, mas faz-lhe prometer não ir à missas.
  • Deus usa o duque reformado de Conde para protegê-la com seu exército de ser assassinada.
  • No dia seguinte, na iminência de ser assassinada, 800 soldados de Navarra surgem, libertando-a.
  • Com a morte do rei, Jeanne baixa decreto abolindo o catolicismo de Navarra. O Papa fica furioso com tais resoluções e persegue Jeanne.
  • Catarina de Médici é usada por Deus para interceder por Jeanne ao papa.
  • Jeanne empenha-se por tirar seu filho da França, ela tinha medo que ele se tornasse católico.
  • Jeanne passa a guerrear a favor dos Huguenotes, o que a torna querida entre eles. Sua chegada na cidade de Rochelle (concentração dos Huguenotes) foi triunfante, mas o seu discurso ao ser ‘exaltada’ justamente com seu filho foi o seguinte: “Não, senhores. Eu e meu filho estamos aqui para promover o sucesso desta grande causa ou para compartilhar o seu fracasso. A causa de Deus é mais preciosa para mim do que o engrandecimento do meu filho.”
  • Foi convencida a apoiar o casamento misto entre seu filho e uma católica romana (aliança política, mais uma vez), não sabendo que isto seria o álibi para um dos maiores massacres cristão da história: A noite de São Bartolomeu.
  • Morreu jovem, sem medo da morte. Destemida como Joana D’Arc, porém sábia como Débora, ao fim de tudo, pôde fazer das palavras de Débora, as suas: Assim, ó SENHOR, pereçam todos os teus inimigos! Porém os que te amam brilham como o sol quando se levanta no seu esplendor.  (Juízes 5.31).
Anúncios

Read Full Post »

Quando eu era criança, uma das minhas músicas preferidas do natal dizia assim, em um trecho: “Quando eu era pequenino eu pedi a meu Papai do céu, que crescendo eu encontrasse refletida aqui na terra, a alegria lá no céu. Mas agora que cresci, vejo mais além do que pedi. Vejo muito, muito amor, ouço vozes a cantar, o natal que eu sempre quis”.

Mas na verdade, verdadeira, depois que cresci, vi que não é bem assim. As palavras de Salomão fazem muito mais sentido: “Vi ainda todas as opressões que se fazem debaixo do sol: vi as lágrimas dos que foram oprimidos, sem que ninguém os consolasse; vi a violência na mão dos opressores, sem que ninguém consolasse os oprimidos. Pelo que tenho por mais felizes os que já morreram, mas do que os que ainda vivem; porém mais que uns e outros tenho por felizes aquele que ainda não nasceu e não viu as más obras que se fazem debaixo do sol.”. (Ec 4.1-3)

Não acredite em tudo que te falam ou te cantam! rsrsrs

#ParaRefletir

Read Full Post »

Meu pai como o pai do Piper:
Quando meu pai me convidou para falar em seu banquete de “não aposentar-se” (embora estivesse se aposentando, perante a lei) aos oitenta anos de idade, eu não tive de orar sobre o assunto. Não havia dúvidas quanto à vontade do Senhor. Um filho sempre dirá “sim” e honrará seu pai. Contei aos convidados que diria estas palavras no funeral de meu pai, mas que era uma grande honra e alegria poder dizê-las na presença dele. Agora estou publicando-as, para que outros as leiam, quando ele ainda está vivo e serve no ministério. Que esta honra se propague. Deus tem sido gracioso para comigo. :
1) Quando as coisas não acontecem do modo desejado, Deus sempre as faz concorrer para o bem.
Em nosso lar, Romanos 8.28 era tão proeminente como João 3.16. Eu o aprendi dos lábios de meu pai: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Isso se tornou o alicerce de minha vida. É assim que Deus é. A vida é árdua. Deus é soberano. Deus é bom.
2) Podemos confiar em Deus.
Meu pai nunca murmurou ante as providências de Deus, nem mesmo quando Ele levou mamãe aos cinqüenta e cinco anos de idade. Foi uma perda imensa. A tristeza foi demorada. Mas nunca duvidamos de Deus. “Neste Deus ponho a minha confiança e nada temerei. Que me pode fazer o homem?” (Salmos 56.11).
3) As pessoas estão perdidas e precisam ser salvas por meio da fé em Jesus.
Meu pai era um evangelista. A sua ausência de casa, em viagens evangelísticas, durante quase um terço de minha vida, incutiu-me uma mensagem primordial: o inferno é real e terrível, e Jesus é um grande Salvador. Mamãe sempre sugeriu que a ausência de papai era um privilégio glorioso que tínhamos de apoiar. Naquela época, nunca pensei em ressentir-me de sua necessidade de ausentar-se, como não o penso até hoje.
4) A vida é precária e preciosa. Não presuma que certamente amanhã você estará vivo. Não desperdice a sua vida hoje.
“Aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo” (Hebreus 9.27). Ouvi meu pai dizer estas palavras muitas vezes, enquanto pregava. Eram palavras ameaçadoras e, ao mesmo tempo, boas para mim. “Não te glories do dia de amanhã, porque não sabes o que trará à luz” (Provérbios 27.1). Papai sabia — por isso, eu também sabia — muitas histórias de jovens que haviam sido mortos antes de estarem prontos para se encontrarem com Deus. O mundo era um lugar muito sério onde cresceríamos.
5) Um coração feliz é como um remédio excelente, e Cristo é Aquele que satisfaz o coração.
Meu pai era e continua sendo o homem mais feliz que já conheci. Em um sermão intitulado “Salvo, Seguro e Satisfeito”, ele disse: “Ele é Deus. Quando confiamos nEle, temos o próprio Deus e tudo o que Ele possui. Não podemos ser nada além de pessoas satisfeitas com a perfeita plenitude de Cristo”. No que diz respeito ao amor pelas coisas espirituais, nosso lar foi o mais feliz que já conheci.
6) Um crente é um grande realizador, e não um grande proibidor.
Éramos fundamentalistas — procurando viver sem arrogância. E tínhamos nossa lista de coisas proibidas. Mas isso não era o mais importante. Deus era o mais importante. E Deus era digno de tudo.
7) A vida cristã é sobrenatural.
O viver cristão não é possível sem o Espírito Santo, que age em resposta à oração. Em minha memória não há uma noite em que minha família não orou reunida, à medida que crescíamos.
8) A doutrina bíblica é importante, mas não surre as pessoas com essa doutrina.
Papai lamentava pelas escolas e pessoas da família que dividiam aquilo que a Bíblia mantém junto: Falar “a verdade em amor” (Efésios 4.15). Verdade e amor. Esta é uma ótima união. Mantenha-os juntos, filho.
9) Respeite sua mãe.
Se quiséssemos ver papai irado, era só falarmos insolentemente com mamãe. “Honre a sua mãe” é o que Deus ordena. E papai sabia o preço que ela pagava por concordar que ele viajasse. Ai do filho que falasse uma palavra depreciadora desta grande mulher!
10) Seja aquilo para o que Deus o criou, não seja outra pessoa.
Se você é baixo, forme um time chamado “Batatinhas Difíceis de Descascar”. Ele nunca me pressionou a ser um pastor. Filho, busque a vontade de Deus acima de todas as coisas. E seja aquilo para o que Deus o criou.
Escrevo com profunda afeição. Muito obrigado, papai!
Tradução Ed. Fiel

Read Full Post »

E lá estava eu, ontem, numa daquelas sessões Luluzinhas (unhas e cabelos), rsrsrsrs! Quando tomei um chá de cadeira e resolvi folhear uma revista que estava disponível. Aliás, diga-se de passagem, essas revistas são mais inúteis que úteis, mas como eu não havia passado por casa antes, acabei indo sem um livro reserva e já estava sem nenhuma paciência para mexer no android (facebook, twitter, instagram, whatsapp…).

Folheei a revista de trás pra frente, de frente pra trás, vi as propagandas… Até que num dado momento, resolvi encarar algum ‘conteúdo’ da mesma. Lá estava eu, lendo uma reportagem sobre o que os homens gostam nas mulheres e pá… a palavra chave da reportagem (não dita explicitamente, claro!!!) era a SIMPLICIDADE.

Sim, os homens entrevistados falaram como curtem mulheres sem maquiagem, de cabelo preso, sem muitos acessórios… etc e tals… e eu, lendo, pensei com meus botões: essa ideia não é de hoje. Deus sempre preservou a modéstia e o bom senso, mas só agora estão dando valor a isso. É claro que vale agradar os homens, mas seu objetivo primordial será agradar a Deus, neste mister.

Mas porque só agora? Deve ser porque a futilidade tem tomado conta da cabeça de muitas mulheres. O consumismo desenfreado camuflou a noção de bom senso e a extravagância vem usurpando o lugar do que é realmente belo. Veja, a maioria das mulheres quando vêem o retrato desta menininha (que já chegou a lista de ‘mulheres’ mais bem vestidas), acha a coisa mais linda. Mas pensando bem… coisa feia a mania de acharem lindo que uma criança pule fases da vida!

Está na hora de voltarmos a certas simplicidades da vida. Isso valorizará quem somos e não quem aparentamos ser. É por aí… Bonito mesmo é ser simples! #parapensar

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: