Feeds:
Posts
Comentários

Archive for julho \30\UTC 2010

Um com você

“Eu sou um com você, no amor do nosso Pai.”

Olá pessoal. Estive uns dias de férias da internet, o que acabou atrasando as postagens daqui do blog. Mas sempre que pensava alguma coisa interessante, anotava num caderninho aqui, então tenho muitas idéias novas para este segundo semestre.

Hoje e talvez em alguns outros post’s que virão eu gostaria de tratar do tema “Casamento”.

Tá… vocês sabem que eu sou solteira e então sou muito suspeita pra falar alguma coisa a respeito, já que nunca vivi na pele, como diz o popular, mas mesmo assim, vou me arriscar a comentar algumas coisas que considero importantíssimas e que estão na Bíblia, assim não corro o risco de falhar, hehehe!

Então hoje eu vou falar de uma coisa que está na minha cabeça já algum tempo. É a questão de ser “uma só carne”. Gênesis 2.24 diz: “Por isso deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”.

Não era pra eu escrever muito aqui… a frase por si só já diz tudo. O que era dois passa a ser um. Um não se separa, não se divide, não se discorda… um é um, é único, é ímpar, não se dissocia. Não é como água e óleo, que a gente vê a divisão. Também não é como aqueles óleos de banho da natura (bifásico ou trifásico…). Uma só carne é como café com leite, leite com achocolatado em pó, água com café solúvel… uma vez misturado, não se separa mais.

Você ama porque seu cônjuge é você mesmo (Gn 2.24), cuida porque é um corpo que te pertence (1 Co 7), ama e sente-se amado porque são um (Ct 2.16). Comungam dos mesmos amigos, das mesmas alegrias, da mesma fé, do mesmo espírito, e o melhor de tudo, agora unidos no Senhor, são um exemplo do casamento do Senhor Jesus com a sua Igreja, de forma clara, amorosa, cuidadosa, unida de corpo e alma, indissolúvel, perdoadora… perfeita aos olhos do Pai.

Se você é casado (a), não olhe para o seu cônjuge como se ele fosse uma segunda pessoa, um outro com quem você tem de conhecer, mas entenda-o como sendo parte de você, talvez uma parte surpresa, mas que não pode ser deixada de lado ou esquecida, uma só carne atrelado ao que você é. E, se você ainda está solteiro (a), então esmere-se em oração, para que Deus complete você em uma só carne com quem Ele destinou antes da fundação do mundo para que sua família seja formada.

Anúncios

Read Full Post »

Confiança

“E ainda que as flores não floresçam, ou a vide não dê o seu fruto. E ainda que os montes se lancem ao mar, ou que a Terra trema, hei de confiar.”

Ontem quando pensei em ler a Bíblia, fiquei alegre. Eu leria Habacuque e nele há um texto que gosto muito.

Dito e feito! Quando li, lembrei-me logo do trecho de uma música do meu tempo de infância que está no topo do post de hoje e que está baseado em Habacuque 3.

Vocês já pararam pra pensar até onde vai a sua confiança em Deus? Será que só em coisas ‘óbvias’ de acontecer. Detalhe que ponho entre aspas porque creio que tudo está debaixo do controle e vontade soberanos de Deus. Ele mesmo diz em Sua palavra que uma folha não cai de uma árvore sem o consentimento soberano de Deus.

Às vezes vemos tantas coisas que nos entristecem, como os abalos sísmicos, tsunamis, chuvas torrenciais e outras coisas mais que vêm da natureza… Quando isso acontece, a primeira coisa que muitos homens se põe a perguntar é ‘onde Deus estava?’. Deus estava onde sempre esteve: governando todas as coisas. Afinal, está escrito que Ele sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder (Hebreus 1.3). Então retorno a pergunta mas coerente para esta questão: onde estão os homens, que não confiam mais em Deus?

Quando confiamos em Deus todo o resto vai bem. Lugares destruídos em conseqüência dos fenômenos da natureza podem ser restaurados quando se confia em Deus. Famílias desestruturadas podem ser refeitas quando se confia em Deus. Bons empregos podem ser concedidos quando se confia em Deus. Dores podem ser aliviadas quando se confia em Deus. Tentações não nos vence quando se confia em Deus.

Não significa que Ele nos dê tudo que queremos quando confiamos nEle, mas significa que Ele providencia a nossa felicidade quando depositamos toda nossa confiança nEle. Quando confiamos em Deus, encontramos forças para reconstruir, encontramos satisfação mesmo naquele emprego mais humilde, sentimos que Ele nos dá conforto em meio às dores, vemos a Sua mão nos conduzindo por caminhos de obediência para que não caiamos no erro…

Enfim, quando é Deus que dirige a nossa vida, tudo fica mais fácil. Mesmo que o mundo esteja um caos, mesmo que as flores não floresçam, mesmo que a vide não frutifique, mesmo que os montes se lancem ao mar, mesmo que a Terra trema, confie em Deus, lance toda sua ansiedade sobre Ele, porque Ele tem cuidado de vós (Romanos 8.1).

Read Full Post »

Exemplo de fé

Eis o relato do Pr. Edson Azevêdo, meu pastor e pai, sobre Adeíldo Belisário Silva, irmão de nossa igreja que dormiu no SENHOR. Que sirva de exemplo para que todos nós tenhamos vida de intensa comunhão com Deus.

Nesta manhã ocorreu o sepultamento do irmão Adeildo Belisário. Ele morava em Pesqueira (PE), na localidade denominada NOVO CAJUEIRO. Ele dormiu no Senhor na manhã de ontem (13/07/2010) às 10h00 nos braços da sua esposa, Vilma Spíndola. Contava 55 anos de idade e estava muito debilitado pelo diabetes.

Nos últimos anos, impossibilitado de trabalhar ou se locomover pelas ruas, ficou mais tempo em casa, aproveitando cada minuto na leitura da escritura, no cântico dos salmos e na adoração particular a Deus. Tinha as horas do dia em que adorava em especial (eram três as oportunidades). Numa das últimas visitas que lhe fizemos, ouvimos a sua confissão de que ‘se fosse para se levantar do leito e ficar curado, porém, perdendo a comunhão que estava tendo com Deus, preferia ficar doente e ir minguando até à morte, contanto que não perdesse a relação de comunhão que estava tendo com Deus‘. Sua esposa nos contou que, nas suas pioras, quando ela se desesperava, ele lhe dizia: ‘Tenha calma; você não sabe que é assim, que está tudo na providência do nosso Deus?‘. A isso ela se acalmava instantaneamente e podia providenciar o socorro sem perder o senso. O irmão Adeildo conviveu os últimos anos com sua esposa na condição de excomungada da igreja por falta de comunhão e desinteresse pela fé, porém, Deus a cumulou de graça comum e ela cuidou do marido de forma abnegada e paciente em todo o tempo, nada tendo ele a reclamar. Ela testemunhou que o seu marido começava o dia orando e cantando um ou dois salmos. Em certas horas do dia ele parava tudo quanto estava fazendo ou falando, pois dizia: “está na hora de adorar o meu Senhor“.

Nesta manhã, dirigimo-nos à localidade de NOVO CAJUEIRO (a 105 km de Caruaru), onde encontramos ali muitos parentes da família (o povoado é pequeno, mas congrega em sua maioria parentes). Um grupo de irmãos da sua igreja amada deixou suas atividades diárias em Caruaru para estar com a família neste momento de despedida. Além do pastor, se fizeram presentes os irmãos: Carlos Roberto, Ezequias Farias, Osvaldo Pinheiro, Ricardo Freitas, Djacy Felipe, Maria Coleta, Edvirgens Azevedo, Vanda Azevedo, Veralúcia Azevedo, Maria de Lourdes Araújo, Josefa Farias e Anna Maria. Todos esses irmãos representavam a igreja que o ensinou a amar e adorar o seu Senhor do modo correto, bíblico, sadio, segundo as prescrições do novo testamento.

Iniciamos a cerimônia com a leitura do Salmo 91, seguida de uma oração pelo irmão Osvaldo. Depois o pastor discorreu sobre a vida e a morte na perspectiva da soberania de Deus, engrandecendo Jesus Cristo e sua obra única a favor dos pecadores, alertando solenemente a todos os ouvintes a buscar a reconciliação com Deus, sob pena da punição eterna. Depois foi cantado o Salmo 121, seguido de uma oração pelo diácono Ezequias Farias, encerrando a solenidade.

Na verdade, Deus preparou uma festa de despedida para o seu servo fiel, que tanto honrou a sua Palavra com uma vida de retidão e seriedade diante dos homens e diante de Deus. Todos os presentes ficaram impactados pela forma como os crentes se despedem daquele que ‘dormiu no Senhor’. O consolo de Deus foi abundante sobre todos, principalmente sobre a esposa e os três filhos, bem como sobre a sua idosa mãe – a irmã Helena Martins – e sobre os seus dois irmãos: Agamenon e Ailton. Retornamos em paz, sentindo na terra uma miniatura da alegria que o nosso irmão está sentindo no céu, ao lado de Jesus Cristo e dos remidos que lá estão. A nossa gratidão expressamos ao nosso Deus por tanta certeza que nos domina.

Pr Edson Rosendo de Azevedo

Primeira Igreja Batista Reformada em Caruaru


Read Full Post »

A consciência ambiental é fundamental para a preservação da raça humana. Pena que poucos estejam engajados nessa luta. Que tal você também fazer parte dela? Bjão

Read Full Post »

Pessoal…

Abaixo os slides da minha apresentação do TCC para que vocês tenham um pouco de conhecimento do trabalho que realizei na conclusão da minha graduação em Pedagogia pela UFPE.

Grata a todos que, de alguma maneira, estiveram presentes neste momento ímpar da minha vida.

Read Full Post »

Olá, pessoas!

Tempos atrás fui convidada por um amigo pastor para ler um post sobre neocalvinismo que ele havia escrito. Guardei as informações para um dia escrever sobre elas.

Não conheço muito do neocalvinismo, mas gostaria de comentar 5 (cinco) coisas que eles defendem como sendo do neo-calvinismo neste post:

1 – Postura dialogal com outros cristãos: A ideia é que qualquer doutrina de qualquer igreja seja tolerável para que o diálogo se estabeleça. Utopia! Não se estabelece nenhum diálogo quando opiniões são toleradas. Por exemplo, uma pessoa diz que não crê que o homem é salvo pela fé a um calvinista e ele responde “tudo bem, respeito seu pensamento”. Pronto! Morreu a conversa. Não há mais abertura para nenhum diálogo. Mas, se ele diz que é contra esta postura e passa a explicar de forma paciente, sem passar a mão por cima, então há um diálogo estabelecido, isso é filosofar. Qualquer um que preze a Verdade e tem amor pelos perdidos fará isso, um calvinista ‘velho’ faz isso. Jesus nunca fez rodeios! Quando, por exemplo os intérpretes da Lei disseram: “Mestre, dizendo essas coisas, também nos ofende a nós outros”, Ele simplesmente disse: “Ai de vós, também, intérpretes da Lei!” (Lucas 11:45 e 46). Não houve um: “veja, bem, vamos conversar, eu te respeito, mas…”. A Verdade foi dita, quer doesse, quer não. Quer você quisesse ouvi-la ou não. Enfim, é preciso falar porque a Verdade é simples e deve ser dita sem rodeios, até porque ela é SUFICIENTE para atuar no coração do homem.

2 – Adota novas práticas litúrgicas da modernidade: Sob o falso entendimento de reter o que é bom. Sim, devemos reter aquilo do mundo que é bom, pois é manifestação da graça comum de Deus. Mas essa máxima não deve, JAMAIS, ser incluída no culto que prestamos ao Rei. No culto a Javé, não é o adorador que diz como deve ser a adoração, mas o Adorado que diz como quer ser adorado. Simples assim! Quando o povo de Deus tentou coisas ‘modernas’ na liturgia da Adoração, foi punido pelo Senhor porque não adoraram da forma correta. A Arca da Aliança deveria ser carregada por homens, com todo um ritual determinado por Deus. Quando, por modernidade, quiseram usar um carro para o transporte da Arca, eis o resultado: “Pois, visto que não a levaste na primeira vez, o SENHOR, nosso Deus, irrompeu contra nós, porque, então, não o buscamos como nos fora ordenado” (1 Crônicas 14:13). E se você vem me dizer que isso era no tempo da Lei, que agora vivemos no tempo da graça, eu lhe digo que: “Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito [nascido de novo]* e em verdade [conforme prescrito na Palavra de Deus]*” (João 4:24).

3 – É positivo, não atrapalha outras ideologias, trabalha pela sua doutrina: Engraçado! Toda vez que leio isso, penso logo: “Que amor é esse ao próximo que deixa ele ir pelo caminho errado, que por sinal, conduz para o inferno?!”. Não tem como viver neste mundo combatendo os preceitos dele sem chegar e falar: “Você está errado e se não se arrepender, é morte eterna. ‘Ponha tua boca no pó, talvez haja esperança’ (Lamentações 3:29). O amor se preocupa com os interesses do outro e não com seus próprios interesses. Ele exorta em amor, ele deseja que o outro não se perca, como o Pai não deseja isso, também.  Ele olha com compaixão pelo próximo e diz: “o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco” (1 João 1:3). João já sabia que se não for igual no que se anuncia, não tem como manter comunhão. Não existe comunhão da luz com as trevas (2 Coríntios 6.14). Não deixe que as outras ideologias vivam a mercê, sem saber da Verdade. Grite-a, proclame-a. Dizer a Verdade pode ser duro, mas é necessário. Lutero certa vez disse: “Eu prefiro uma dura verdade a uma doce mentira”. Fale, fale enquanto é tempo, porque se você se calar, as pedras vão clamar (Lucas 19:40), contanto que a Verdade seja dita.

4 – Aceita a contemporaneidade dos dons: Isso é um absurdo! Como alguém pode crê na contemporaneidade dos dons? Eu poderia passar a noite aqui enquanto escrevo esse post falando e falando contra essa ideologia. Mas pra mim, a Bíblia é suficiente para combater este pensamento quando diz: “Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo” (Hebreus 1:1). Deus fez o Universo pelo Filho, isto é, pelo Verbo, que é a Palavra e hoje Ele nos fala pelo Filho, somente pela Palavra. Sola Scriptura! Isso basta!

5 – Obediência como dever é legalismo: Será?! Quando Deus criou Adão e Eva deu-lhes o dever de cuidarem do Jardim. Deu-lhes o direito de comer de toda árvore do Jardim e o dever de não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. Quando Deus enviou o Seu Filho ao mundo, seu dever, como Homem, era obedecer à Lei com perfeição. Jesus, certa vez, contou-nos uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer” (Lucas 18:1). Lá na frente há o mandamento imperativo: “Orai cem cessar” (1 Tessalonicenses 5.17). Dever, dever, dever… Somos chamados, sim, a uma vida de obediência. Obedecer é o nosso dever. Sendo filhos de Deus, fazemos isso por prazer, por amor à Lei do Senhor, nunca por legalismo, mas por saber que “o temos conhecido por isto, se guardamos os seus mandamentos” (1 João 2:3).

Portanto, “foge destas coisas [neocalvinismo]*, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão (1 Timóteo 6.11).

*Comentários explicativos meus.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: